quinta-feira, 30 de junho de 2011

O dia seguinte

O dia seguinte veio cheio de reflexões, mas com um ar satírico da casa da mãe Joana. Este dia serve para pensar que realmente a família é uma grande família, pais que se perdem no horizonte, mães que chegam eloquentes de seu trabalho, homens que dormem até mais tarde e que dirá da minha cidade, uma família que te ajuda em tudo e te da suporte até para as coisas mais supérfluas como, um açaí, cerveja e olhe lá, um salgado de carne ou um pastel do china.

Chines que é bom gosta de cozinhar e por isso temos tanto prestígio na hora de encomendar uma bananada, que os garotos da luz vermelha se remexem todos só ao ouvir um gargalhada no andar de cima, e ai de quem disser que não é ao vivo, pois o que manda a chuva sempre corre no seu dia a dia. Apesar de fisicamente meu dia ter sido um fracasso, pois não malhei, não fui a academia, não projetei nada de protuberante nas casas decimais, e não consegui fazer o texto do bom dia, o senhor da rua veio me dizer que tudo aquilo que foi falado realmente era verdade, e que um vendedor de açougue que fica patenteando coisas perdidas por aí, disse que hoje o dia seria direto e cinzento como no dia em que o jumento morreu.

Este que o diga, o Sr. Giarafales, aquele mesmo (do personagem dos Chávez), aquele que sempre apanhava da dona florinda, uma bela dona. O kiko se ainda fosse vivo, (pois não sei se seu personagem já morreu) estaria estérico e satírico se fosse em outras épocas, mas hoje ele acorda olha para o céu e agradece a Deus por ter tido todos os amigos que já estiveram, em sua vida e acordando mais uma noite solteiro e faminto, ele diria que quer ser um pop star mas não sabe onde fica o estúdio que da esta luz ao seu protetor.

Bom em meio a tanta maresia, vou ter que deletar do meu HD algumas peças que estavam faltando, como uma goma de mascar e alguns tuti-frutis, pois hoje o sol ainda brilha na madrugada e quem não tem como pagar o aluguel do dia seguinte, eu vou estar bem mais além da minha percepção. Que sejam os farsantes, pois o que dá, paga.

O dia segue sem choro

O dia segue e os poros da mente ainda pedem para que o trabalho apavore a humanidade em todos os seus laticínios. A vontade de engordurar as camisas de óleo para comer algo que se reflita em gás, ainda entra naquela verdadeira chama de lucidez que nos agoniza na hora de tomar o chá das seis, seis porque no Brasil às 17hs ainda são ensolaradas, fora dias nebulosos e neblinados como se vê na serra carioca, mas onde todos os seus moradores só chamam para fumar, tomar um gole em uma taça de vinho ou até mesmo no intervalo para o café.

Digamos que o dia se ilumina com um punhado de açúcar numa caneca rosada, que vem dizer que o dia ainda está iniciando e mesmo assim ele já corre extenso por uma par de vibrações que antes forjadas por serem malignas se tornam verdadeiras nuvens de informação no degrau acima da cabeça e agonia, as músicas já não se fazem presentes, pois a terapia matinal de fazer fumaça ainda ameaça a saúde de quem se vê parâmetros de distância de uma doença paupável mas não repressora, como uma dengue hemorrágica.

As filas dos bancos entram enrriquecedoramente ao ponto em que nós pessoas da sociedade adversa vivemos sem contas em bancos e ao mesmo tempo em que os salários pagos por seus contratntes entram líquidos e legais sem descontos de suas máquinas empresariais, assim dizendo. Para quem não consegue reprimir a solidão, o dia é marcante. Para quem entende de prazer, uma passagem ao relento fala que ontem a noite foi de protestos e marcação. Os amigos dizem que a forte corruptura de seus eleitores chega a ser comédia em torno de algo tão comum e normal, uma vida a ribanceira a esteira e uma cama, perto de uma lareira que cheira a pinho ou carvalho queimado em uma braçadeira.

Quem já esqueceu de seus antigos moinhos é o homem que anda nú. Nú como uma rosa de espinhos que cheirou a pétala orvalhada em ouro naquela mesa distante de um café das três, este horário que nõ nos deixa mentir, também em meio à nuvens supremas envoltas de viagens escalafabéticas presunçosas de mordomia de requinte tribal, sejam eles dias ou noites em grupos que se mostram risonhos tristes e escaldados, porém muito mestiços e realmente esclarecedores.

Mesmo que o dia nos afobe, já se sabe que se pode contar mesmo que nos dedos seus amigos perdidos em voltas mil, a ninguém remediar as trocas de tormentas por amizades verdadeiras como o trem da passagem ou o da velocidade zen. Então assim como se faz na travessia da maré da Baia de Guanabara, se anda de vagão em vagão procurando a semente certeira que não aparece mas se mostra hostil, delinquente e famigerada, nossa.

Bom dia

O escritório parece estar vazio desde ontem a noite. Quem acorda cedo para trabalhar é o Bruce Wayne da coringa, onde todos os personagens do esteio ficaram acordados desde a noite anterior levando a criançada ao esterco por estar lembrando da avó que hoje não mora mais com os vivos, e sim com os mortos. Me lembro bem até hoje, eu era pequeno por volta dos 11 anos de idade, quando meu primo entrou lá em casa: "Primo tenho uma notícia ruim para te dar", ele avisou. Eu pequeno ainda, rabiscando os muros, achei que fosse algo sobre as pixações, do tipo - sua mãe descobriu. Eu abri um berreiro, ele avisou pra mim, que naquela época ainda não entendia muito bem, mas me lembro que fiquei muito triste ele falou: "Nossa avó morreu". Nossa, que notícia chocante, além de ser minha era dele, e ele também havia perdido a avó.

Minha avó que era tão bela, que fazia costuras par a família, que trabalhou a vida inteira em um banco, que era caixa deste mesmo banco, que um tempo após iria tornar a vida deste menino tão supérflua, enquanto o dinheiro pudesse comprar, que alias na sua primeira conta de um Itaú, viraria ser uma conta 5 estrelas com direito a fila especial no mesmo, a contar pelos seus 17 anos, de acordo com uma empresa de formaturas que havia conhecido aos 16 anos, ou sej um anos antes de entrar pr a faculdade. Realmente estas lembranças são as mais tristes de que se tem lembrança e as mais jovens, pois seu pai também viria a falecer perto dos 20 anos, mas esta lembrança não é só uma memória, se tornou algo muito marcante já na sua juventude e se torna algo claro e verdadeiro mesmo quando nada nos toca de forma real, mas mesmo em passagens da Bíblia ou do jornal da mnhã, seu pai.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Tem texto que nunca muda

Tem textos que não mudam, custe o que custar ninguém vai perceber a diferença entre se escrever pra frente ou se escrever par traz, é como um letra de rap, se você for um cara brabo, pode acabar apostando que nada que você disser será usado em juizo contr você, a não ser que você perceba que este assunto teria fundamento, diga mos assim, em um bom lugar tudo a Deus pertence. Só os homens sabem o qunto falar é fácil e o qunto saber é difícil, tem dias em que acordo pensando em como vou sustentar aquele vício poligâmico que fumar uma erva natural, com uma gata ao lado, sem pensar em mais nada, apenas o fumo verde a princesa de Odhara leiga, e uma bola de haxixe para evacuar toda a protuberância simbólica quie vem das ruas de Gottan City. Para uma cidade menos amena e mais arredia do que esta, que contam seus personagens.

Os cenários já estão difamados, as letras musicais já não são mais tão novas, mas e o sonho? E o sonho de ficar acordado que sempre rouba das nossas janelas e se da defronte de uma mina, mina que entra em conflito mútuo e sai caçando arrebatadores passos feios de jargão maeancolia que supre todos os seus pensadores plurais. Se um design disto me der fôlego pra mais uma caminhada, sei que poderei recorrer aos supérfluos eletrônicos para uma corrida de macieira e uma bela jazida na mão, pólvora e maresia. O som ofusca este brilho, que já não faz sentido se não contado, mas entrando bem pelo espelho de vidro fume, gente peca pela librdade de expressão e seus domínios, nem sempre tão protuberantes, mas sensatos.

Ontem enchi a cara

Textos divertidos nem sempre são fáceis de fazê los. Os textos devem ser bem comportados como pessoas, para que possamos dar o ar da nossa graça e uma característica mais pessoal até mesmo na pontuação para detalha los. Lembro me até mesmo, que comprei uma revista do Batman para ficar curioso mesmo, e com isto estava e na roda de rima cauteloso, de jaqueta de couro dado pelo meu pai emprestado - aquele mesmo que quem xinguei outro dia reclamando do comportamento de 8 anos atrás, quando num processo de cautelização, entrou atrapalhando o que gostava de fazer na época e, acabando com o meu lazer, onde não havia muita coisa mais para ser detalhada, apenas as brigas e o românce, só isso.

Lembro me agora que falou se do Tuti, grande parceiro, de uma noitada de mil reais, que coisa estranha. "Eu estou esperando ele" - o amigo falou, sei que fiquei muito bebado, nosso quanta cerveja. Já havia contato que com 20 reais, poderia comprar até 10 cervejas em uma rima, sendo que já saí de casa com uma garrafa na mão, ou seja seriam 11. Se eu não tivesse pago três reias à um amigo que ainda tem à receber mais 5, e por isso, um assopro. De repente a porta abriu e eu percebi que hoje é dia de estar atento a tudo que me compete, pois o conforto passageiro de uma cama com o ar de condicionado desligado, pois o frio é imenso, fala que nos devemos ter um espaço vitorioso no noso rumo, como quem pensa: Mas o que será deste amigo, dizem até que ele não se contenta com pouco, mas que quer gstar toda a onda num blog de efereridades que saiu na internet a pouco tempo, este da Laranja, que ferve o dia inteiro com poucos ares mas muita coisa nova, como frutas secas sucos exóticos e água em garrafa para matar a sede do dia seguinte.

Quem me espera é um sofá de couro, pois já a esta hora a faxineira tem que entrar, devassar a janela, levantar da cama e arrumar toda a bagunça de uma semana que ela aparece para arrumar a casa. Já no silênjcio, numa sala fria, mas bem distante do que semppre de custume já faz, o homem cai deitado em uma beira de precipicio que esta mais visível do que paliações diplomáticas do celebre e hostil homem de estórias mal curtidas e bem aproveitadas pelos mesmos homens, que ontem viraram as costas para mim, e se mostraram passageiros. Acho que vou ver um filme, ler um pouco sobre isto e acabar com esta ingrata sensação de que nada pode ser adiante do que fomos para estes muleques, fala o garoto de voz mansa, mas que canta como uma velha lamparina no fogo, somente fazendo barulhos agonizantes.

O dia ainda começa, mas todos sabem que um punho cerrado é parecidamente a uma corrida de cavalos, jogando vertigem de pular de uma simples passadeira para o chão e entrar num mundo absurdamente infantil e hospedeiro, gatos e ratos, Fíveis amadores, e pouca gente chegando para contar um fim, onde o começo não esta exato, mas que partiu de dentro para fora. Uma nova coberta, um novo começo e tudo aquilo que era antes, passou a ser mais vantajoso porém menos certinho, pois este edredon é velho, e já não me cobre como deveria, e é verdade.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

O crime se compensa?

O crime se compensa? É uma pergunta que não vale à pena.
Não vale à pena pois todos já sabem, é claro que não. A resposta para esta pergunta só pode ser dada a pessoas que saibam que sua vida foi jogada fora pelo ralo, onde muitos de seus amigos foram feitos de pedra, pau, madeira e um pouco de dinheiro, vindo do oriundo, das redondezas, para saber que o crime só compensa se você tem um par de dólares na cueca, guardados para quando o guardinha bater na sua porta e você falar: "Está aqui seu troco mano, agora volta mês que vem, que você tem mais mil pra levar para casa", e pronto, está resolvido o ditado.

Sim, o crime não compensa. E para muitos, esta é uma pergunta falida. Os caras pedem para você entrar nesta cena, pois eles não tem nada a perder, e querem mais é que você ganhe dinheiro fazendo crime, pois você não valoriza-rá nada e quantida-rão o que você tiver, para se por mais um pouco e, repor o que se perde no caminho das drogas mais pesadas.

E o que dirá então dos menores que entram nesta pesada para ganhar dinheiro para sua família, mulher, namorada ou família de um amigo próximo que está com fome, ou não pode comprar material para escola do filho mais velho.
Pois é, o crime deve ser aniquilado, mas olhe o que eu falo.

Digo para meus próprios prazeres que em matéria de grana, se faz dinheiro com fama, mas que o dinheiro mais bem gasto é quele que se ganha com trabalho, e não o que se tem fácil vendendo uma parda ou a outra.

Assim, todos que estão envolvidos ganham, do mais velho ao mais novo, e quem dirá o patrão que tem mais e tem muito e sempre no bolso. Por isso aos demais desavisados, achando que este post é uma apologia ao crime, não se iluda. É um pequeno devaneio de um cara de 28 anos que já passou da vez em matéria de drogas, e acha que a vida só vale à pena se tiver no bolso um qualquer, mas não se iluda, este que voz fala não ganha nada por fora, só por dentro. E com um bom tempo de trabalho nas costas, e tenha dito, Paz!

Até que um de vocês não repare, mera semelhança não é dada às cartas, e sim ao meu semáforo semblante que se dá ao meu verso. Vide nas poesias que corroem o meu pensamento outra hora. Adicione em: http://www.poesiadobronx.blogspot.com/, até.

Escutando o som

Ouvindo o som do ControlVersos (http://soundcloud.com/controlversos), percebi que nem todo rap, assim como o meu, tem uma pegada mais crime, que vem para massacrar e acabar com a idéia de que a união é a saída mais plausível na hora de absorver e se relacionar com as idéias alheias de quem faz o rap, ou somente participa dele de alguma forma. Já ouvi falar por algumas pessoas que não cabe agora aqui citar o nome delas, preservando assim minha identidade perante estes mesmo senhores, que já fui por eles mesmos utilizado como idéia física para contarem estórias em suas letras de música, ou seja, como inspiração para as mesmas.

Agora veja, muitos destes que por mim se dizem inspirados, nem ao mesmo tiveram tempo ou delicadeza ao menos de se fazerem por se conhecerem e vir falar à mim por agradecer por esta inspiração. Parece que gira em torno deste assunto, alguma mitologia não por mim criada, à dizer que tornei me um ícone do rap carioca sem nem mesmo ter participado deste mesmo movimento musical até janeiro no ano passado, quando entrei com meu som e minhas músicas podendo ser vistas em http://www.myspace.com/xingurap.

Então, para não também alongar uma predileção por este ou aquele artista do meio rap musical carioca, farei somente como já o disse algumas vezes no mesmo ambiente em que todos os principais atuantes do rap carioca estavam, uma ajuda para que os mesmos mc's achem um outro ícone para sua matilha no rap nacional, ou que o façam de forma a não esconder sua ajuda musical, e que se usem devidos os créditos musicais, em dedicação à quem quer que seja citado em seus relatórios, como nos meus o faço literalmente entre nomes e, dedicatórias. Fica meu protesto, até!

sábado, 25 de junho de 2011

A produção

A produção diz que ainda não estamos prontos,
os homens dizem que não temos talento,
as mulheres dizem que somos menos homens do que gostaríamos ser,
e você, o que acha disso?

Seu nome ficam buscando em prol de saber quem tu é,
e você só esquece de tomar juízo quando sua coroa aguarda sua ordem de dizer
que chega de mordomia e que vai estar empenhando toda sua casa na hora do juízo do fim.

Então, que maresia é esta de você não se contentar com o que esta a sua frente?
Corra, reaja, ande a pé mas vá fazendo,
pois assim você desenflama e passa a perceber que só com você que se vai querer bem,
pois não é do próximo que se precisa de verdade
e sim do primeiro que aproxima-se de você e te joga sentindo.

Em toda comunidade existe um cara perverso que acha que você pode ter medo e se espelhar nele,
pensa um pouco e para pra pensar, você já teve juízo?
Se não eu não me arrependo pelo que disse, mas neste dia,
diria para mim mesmo que somente quero voltar para casa,
para dormir um instante e esquecer de tudo aquilo que havia vivido em apenas um dia.

Em apenas alguns momentos e que as horas não vão voltar,
acredite: fortaleça-se, e acredite nesta vitória, pois um dia, mesmo que você não mereça muito ela vai aparecer e vai abrir seu coração, enquanto isso, crie juízo e corra o mais longe que você puder chegar.

Assim, a sua vida se fortalece e a minha por consequência, vai ficar limpinha,
e eu vou com certeza, chegar ao alcance da minha jornada.

Meu pai, meu coração, minha mãe minha rainha, o resto é o resto, e você já sabe o que quer falar, então,
dane-se os sentidos, que a cidade está afoita,
chama, muita chama, e paz, paz na terra,
Até.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Mais um dia como outro qualquer

Mais um dia como outro qualquer, é o dia de hoje.
Não sei de que se trata o feriado,
é um feriado qualquer,
deve ser de são João.

Ontem publiquei um letra de mc,
dentro do imaginário das letras fantásticas,
o Cd que seria o primeiro,
tornou-se uma epopeia bastante significativa,
parece que até os corações mais saciáveis,
se detiveram com a esperteza,
e a simplicidade de uma ideia, que ao menos de ser média, passou a ocupar um boa parcela de relações dentro da minha rede de fantasias,
e gastos inigualados.

De antes da empreitada em tornar um sonho,
mais que um texto fictício,
ou lembranças do passado.
A saga terá um contínuo,
mas terá também,
a sapiência de que hoje,
me torno menos digno de palavras,
do que de festas e nostalgia, como parecia querer.

Me dou por inteiro à um jornada pacífica,
mas marcada por frutos inesgotantes, como.
Meu dia, meu elo de ser e, meu fictício símbolo de beleza rara.
Assim que puder escrevo mais um pouco, ainda abatido e com cheiro de amor.
Bom dia.

NOVO CARTAZ


Mais um quadro esta à venda em formato A3 com impressão colorida em papel comum pelo valor de R$10,00 na Laranja Bronx. Basta você enviar um email para laranjbronx@gmail.com para adquirir a arte, mais o valor do frete para seu país ou estado. Se você morar pela região da ZS no Rio, pode receber a arte em sua casa ou retirá-la nas Laranjeiras no nosso estúdio, até!

NOVO CARTAZ


Mais um quadro esta à venda em formato A3 com impressão colorida em papel comum pelo valor de R$10,00 na Laranja Bronx. Basta você enviar um email para laranjbronx@gmail.com para adquirir a arte, mais o valor do frete para seu país ou estado. Se você morar pela região da ZS no Rio, pode receber a arte em sua casa ou retirá-la nas Laranjeiras no nosso estúdio, até!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Criolo Doido - Lion Man


Música nova do Criolo, do álbum "Nó na Orelha". Acompanhe o trabalho deste artista, que já faz barulho na mídia, abs.

Karla Sabah CALA A BOCA E ME BEIJA


A música da artista Karla Sabah foi descoberta hoje, por uma pesquisa na internet e tem uma ligeira intuição feminina arredia que marca bem o que vemos hoje como uma boa música feita para homem e mulher ouvir. Fale, bem ou mal, ela tem uma voz positiva e sensual, confira! Até.

NOVO CARTAZ


Mais um quadro esta à venda em formato A3 com impressão colorida em papel comum pelo valor de R$10,00 na Laranja Bronx. Basta você enviar um email para laranjbronx@gmail.com para adquirir a arte, mais o valor do frete para seu país ou estado. Se você morar pela região da ZS no Rio, pode receber a arte em sua casa ou retirá-la nas Laranjeiras no nosso estúdio, até!

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Da Pista - Quadra da AMAL


Nosso evento este fim de semana conta com a presença da Bebel do Gueto de Ipanema, do grupo de Rap intitulado Skinny Thugs, que é formado pelo Mc Phillipe Delíbero, Mc sheep e De La Rima integrante do Cartel Mc's. Veja como chegar na festa no link: https://www.facebook.com/event.php?eid=151413038262063, e venha com a gente para conferir domingo dia dos namorados as gatas que vão aparecer, pois esta semana meninas são FREE! Abs.

Arte


Esta foto foi tirada em uma arte que executei em ipanema, na parede de um bar bem pequeno na Vinícius de Moraes, que rola de estar por lá de quinta à sexta, e estou lá sempre que posso. Pois não mais estudo na UniveCidade, e sempre rola uns FREE pesado a pampa! Bom dia.